Estudantes de Medicina Veterinária aprimoram conhecimento sobre serpentes e animais peçonhentos

Estudantes de Medicina Veterinária aprimoram conhecimento sobre serpentes e animais peçonhentos

Sob a supervisão da Profa. Dra. Gea Peres Serafim, que leciona Toxicologia, os estudantes do 9º e 7º Termos de Medicina Veterinária fizeram recentemente uma visita técnica ao Cevap (Centro de Estudos em Venenos e Animais Peçonhentos) da Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho), em Botucatu. A disciplina de toxicologia, ministrada aos graduandos do curso de Medicina Veterinária, oferece essa visita técnica com o objetivo de complementar o conteúdo ensinado em sala de aula sobre acidentes por animais peçonhentos e venenosos de interesse em medicina veterinária. A visita é oferecida pelo Cevap em forma de um minicurso, e compreende quatro atividades.

Palestra “Serpentes: biologia, identificação e acidentes ofídicos”: assim que chegam ao Cevap, os alunos são recebidos pelos aprimorandos e/ou pós-graduandos em um anfiteatro para assistirem à palestra. O objetivo da palestra é relembrar o conteúdo abordado em sala de aula e preparar os alunos para as atividade praticas que virão em seguida.

Atividade prática de extração de veneno: os alunos acompanham e extração de veneno de serpentes peçonhentas, normalmente Jararaca (Bothrops jararaca) e Cascavel (Crotalus durissus terrificus), realizada pelos aprimorandos e/ou pós-graduandos, onde os alunos acompanham todos os processos da extração (contenção física, contenção química, extração) além de poderem tocar nessas serpentes (devidamente contidas) e sentirem sua textura e temperatura.

Atividade prática de mecanismo de ação do veneno: os alunos participam de atividade pratica em laboratório onde, devidamente trajados com equipamentos de proteção individual (EPI), podem participar de todas as etapas de análise laboratorial do mecanismo de ação do veneno de serpente coletado durante a extração. Dois alunos voluntários misturam o veneno coletado em uma amostra de sangue na placa de Petri e todos observação a ação de coagulação do mesmo. Os alunos também observação o mecanismo de ação da cola de fibrina sintetizada a partir do veneno crotálico (de serpentes do Gênero Crotalus = cascavéis) muito utilizada para acelerar o processo de cicatrização em feridas de pacientes que apresentam distúrbios de cicatrização (diabéticos e/ou idosos).

Visita ao museu de animais peçonhentos: os alunos, acompanhados de aprimorandos e/ou pós-graduandos visitam o museu de animais peçonhentos, o qual possui muitas espécies de serpentes peçonhentas e não peçonhentas, bem como outros répteis como teiús, iguanas, jabotis, tigres d’água, além de artrópodes como aranhas e escorpiões, todos mantidos vivos com a finalidade de proporcionar ao visitante noções de educação ambiental e educação em saúde. Ao fim da visita ao museu os alunos podem manusear algumas Corn Sankes (Cobra do milho), que são serpentes não peçonhentas exóticas (espécie que não ocorre naturalmente em território nacional).